O novo comportamento do consumidor imobiliário

O ano 2020 foi, definitivamente, cheio de mudanças drásticas e que com certeza ainda se verá reflexos em um futuro longínquo. O novo comportamento do consumidor imobiliário veio para ficar.

Foi o ano de uma pandemia que ainda, está longe de acabar. A doença do coronavírus modificou as rotinas em uma escala global.

E isso, obviamente, refletiu no mercado imobiliário. Apesar de toda a crise sanitária, o ramo ainda obteve um leve crescimento, após um período de queda. Mas o comportamento do consumidor deste setor mudou. 

Portanto, o que foi modificado? Provavelmente este comportamento não sofrerá mudanças daqui para frente e será uma constante. 

Afinal, grande parte dos consumidores que trabalham em empresas, se viram em uma nova rotina: o home office

O lar que era o local de descanso, agora, passa também a ser o escritório. O tempo longe da família durante o horário de trabalho, não existe mais. 

O lar é escritório, o ponto de diversão das crianças, e também, das atividades escolares, e além disso, ainda é o local para os afazeres domésticos.

É uma reconfiguração total e isso refletiu no pedido de variados clientes, seja para comprar ou alugar um imóvel. 

Entenda, ao longo deste texto, como ocorreu esta mudança e quais serão os reflexos para os próximos anos. 

Como o setor imobiliário mudou em 2020?

Antes de falar sobre o comportamento do consumidor imobiliário, é interessante olhar primeiro para o mercado em si. 

Como dito, a pandemia modificou bastante as estruturas da economia brasileira e o setor, obviamente, não passou batido. Todavia, apesar de uma leve queda, o ramo conseguiu se reerguer, deixando corretores e imobiliárias mais tranquilos.

A maior adaptação para o mercado imobiliário foi integrar a internet para o dia-a-dia no escritório. 

Recursos como tour virtual, captação de imagens em alta resolução, sites responsivos, investimento maior em marketing digital para captar clientes foram estratégias realizadas para conquistar clientes, e também, driblar o isolamento social.

Provavelmente este método híbrido, ou seja, o físico e virtual andam juntos, veio para ficar mesmo depois do fim da pandemia. É válido destacar que o uso da tecnologia já era uma tendência que apenas foi antecipada.

Principais mudanças no que influenciaram o novo comportamento do consumidor imobiliário

Após compreender como o mercado foi modificado, claro que para o consumidor não seria diferente. Confira, agora, as principais mudanças. 

A implementação do home office: 

Muitas empresas de diversos setores foram obrigadas a repensar a rotina de trabalho. E nisso, seus funcionários tiveram que utilizar cômodos como a sala, por exemplo, como o escritório. 

O tempo que era gasto em transporte + horário de trabalho, agora é feito em casa. Tudo gira em torno do próprio lar. Muitas famílias tiveram dificuldade por várias razões em se adaptar a esta nova ambientação.

Conexão fraca de internet, convivência familiar cruzando com a rotina de trabalho, falta de espaço específico para poder trabalhar. 

Por isso, o consumidor procura um imóvel que contenha um cômodo para ser utilizado pontualmente como ambiente de trabalho. 

Procura por imóveis maiores ou com mais cômodos:

E claramente, a procura por um espaço maior, reflete na busca em investir em um imóvel que corresponda a este desejo. 

Se antes da pandemia, o consumidor procurava por espaços enxutos, graças a rotina de trabalho onde ele passava mais tempo fora do que dentro de casa. Bom, com a implementação da quarentena, o desejo atualmente é inverso. 

A propriedade não precisa exatamente ser gigante, caso já tenha um cômodo extra para ser utilizado exclusivamente como escritório, o desejo de investir no imóvel já é saciado.

Assim, o ambiente de trabalho fica separado da casa, assim como o gerenciamento de tempo. 

Mas caso, o consumidor tenha uma família, é interessante a ele um espaço maior. Assim as crianças podem brincar e estudar em um espaço exclusivo a elas. 

O que significa na prática que a condução do trabalho pode ser realizada com mais suavidade.

Com esta nova configuração, a procura por casas é maior do que por apartamentos. Afinal, as residências geralmente tem quintal ou uma varanda com espaço o suficiente para as atividades de lazer.

Além disso, é importante ressaltar que esta procura atualmente se distancia dos grandes centros. Portanto, o consumidor busca locais mais tranquilos, sem toda a correria da cidade.

Sala, cozinha e quarto devem ser cômodos aconchegantes

Outra mudança amplamente notada no comportamento do consumidor imobiliário é sobre os três cômodos citados no tópico.

A quarentena causada pela pandemia aflorou a criatividade de muitas pessoas. E por isso a cozinha foi palco de inovações e aventuras em um novo hobby: cozinhar. 

E como a família passou a viver na mesma casa, em tempo integral, este cômodo em especial também passou a ser de mais convívio familiar. 

Já a sala virou um espaço multiuso. É escritório, sala de estar, área de lazer, convívio social e várias outras funções. 

Para o consumidor, a partir de agora, este espaço deve ser maior para acomodar todas as funções acima de maneira que todos fiquem aconchegantes.

E por último, o quarto. Alguns consumidores também utilizaram como escritório, mas para a maior parte deles, o quarto deve ser utilizado como refúgio. Ou seja, o seu significado original. 

Ser um local tranquilo, onde aconteça o real relaxamento da rotina feita durante o dia.

Como o mercado imobiliário deve se adaptar a estes desejos?

As empresas devem rapidamente atender essas demandas. Com a internet, tudo torna-se mais ágil, então é essencial que no atendimento, o corretor ou a imobiliária consiga entender os desejos do consumidor.

Mas como isso ocorre? Sempre se manter disponível ao cliente. Fazer anúncios que chamem a atenção do cliente. Produzir textos específicos sobre o tema, também, é uma boa estratégia para captar clientes. 

Por fim, utilizar a tecnologia a favor da empresa é uma tática que permanecerá por muitos anos no mercado imobiliário.

Conclusão sobre o novo comportamento do consumidor imobiliário

A pandemia foi grande responsável por antecipar uma tendência que viria de qualquer maneira: a mudança do comportamento do consumidor imobiliário.

Os desejos do consumidor são por locais maiores, afastados de grandes centros da cidade e cômodos aconchegantes que possam tornar o isolamento social mais reconfortante.

Ficou com alguma dúvida? Por favor, escreva nos comentários.

Leia também:

Como evitar fraudes na compra de imóveis

Vale a pena investir em renda de alugueis?

Quem é o Locador e Locatário

Leave a Comment

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href=""> <abbr> <acronym> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Entre em contato conosco