O que faz um consultor em pequenas empresas
(46) 3220-6081
widesys@widesys.com.br

O que faz um consultor em pequenas empresas

Se você se pergunta o que faz um consultor, é bastante provável que esteja enfrentando dificuldades de gestão na sua empresa. Pode ser o baixo faturamento, contas que não fecham, clientes que desaparecem, entre tantos desafios possíveis. Sim, você precisa de ajuda. Mas de qual tipo?

Neste artigo, você vai ler:

  • Afinal, o que faz um consultor?
  • Preciso de um consultor na minha empresa?
  • Como contratar uma consultoria para empresa
  • O contador pode ser seu consultor?
  • A consultoria por meio do Sebrae
  • Como ser seu próprio consultor de gestão
  • Razões para ter uma consultoria na sua empresa. 

 

Afinal, o que faz um consultor?

A pergunta sobre o que faz um consultor pode ter dois tipos de resposta. A primeira delas, é claro, descrevendo suas atividades. A segunda, talvez refletindo mais a realidade, se limitaria a dizer que nele está a esperança de salvação da empresa. Afinal, não raro esse profissional é lembrado quando a água já bate no pescoço, e o fracasso parece questão de tempo.

É óbvio que esse tipo de visão restringe muito a atividade do consultor, cujo valor não aparece somente nas horas terríveis - um passo além dos momentos ruins.

Há razões para ter uma consultoria quando o negócio vai muito bem. Mas aí o pequeno empresário pode olhar para a necessidade permanente de economia e pensar: “Se cheguei até aqui sozinho, por que preciso de ajuda agora?”. Faz sentido para você?

Pois é exatamente em momentos como esse que ter um conselho profissional e especializado faz toda a diferença. A tomada de decisão na empresa costuma ser um momento de tensão, em especial quando o que se avalia é um passo tão importante, como abrir uma filial, lançar um novo produto, dar uma guinada nos negócios ou uma buscar empréstimo para sair do vermelho.

Agora, você começa a entender o que faz um consultor. Como o nome indica, ele presta consultoria à empresa, o que se materializa em etapas como diagnóstico, análise, planejamento e aplicação da estratégia. Seu papel é o de propor soluções ao negócio, seja qual for o desafio que a enfrentar - e eles podem surgir de todos os lados, como veremos a seguir.

Preciso de um consultor na minha empresa?

Essa é uma questão interessante. Quanto menor o porte da empresa, mais concentrada nas mãos do empreendedor estará a definição sobre os seus rumos. Quando constitui uma sociedade, ao menos tem o sócio ou o administrador para uma segunda opinião. Não é o caso do empresário individual, por exemplo.

Quantas vezes no seu dia a dia você se depara com um problema que parece não ter solução, ou, ao menos, ser de grande complexidade? Várias, não é mesmo? Isso não significa necessariamente chamar um consultor cada vez que fica em dúvida sobre o que fazer.

O serviço de consultoria empresarial costuma ser solicitado quando há um objetivo claro, mas não há certeza sobre como pavimentar o caminho para concretizá-lo. Todos os exemplos citados antes, da filial ao empréstimo, se encaixam nesse entendimento.

Não é o mesmo que se pode dizer, por exemplo, quando você olha para o caixa, encontra recursos escassos e precisa decidir qual conta pagar. Ou quando não sabe se contrata um novo funcionário para o administrativo ou para vendas.

Você já sabe o que faz um consultor, mas para avaliar a sua necessidade, vale refletir sobre o que contratá-lo representa. Estamos falando de um auxílio externo no seu negócio, que não pode ser confundido com interferência, mas que na prática se materializa com outra empresa dentro da sua, se inteirando sobre os processos e guiando suas ações, ainda que por prazo limitado.

E agora, mantém o pensamento de que precisa de um consultor na sua empresa? Em caso positivo, provavelmente está pronto para o próximo passo: definir quem irá exercer esse papel.

Como contratar uma consultoria para empresa

Pode parecer estranho, mas uma das melhores formas de compreender com exatidão a necessidade ou não de ter um consultor em seu negócio é conhecer onde esse serviço está disponível.

Quando se fala nessa função, é bastante provável que você pense em uma empresa de consultoria ou profissional especializado na atividade. É natural que seja assim, mas não são as únicas possibilidades, como veremos a seguir.

De qualquer forma, ao optar por alguém específico da área, há também as duas alternativas que acabamos de comentar: a empresa e o autônomo.

Não existe melhor ou pior escolha nessa relação, mas lembre que terá um “estranho” no seu estabelecimento. Se não gostar do seu trabalho, pode trocar por outro consultor (caso opte pela empresa de consultoria) ou encerrar o projeto inconcluso (caso prefira o consultor autônomo).

A experiência e tempo de mercado são outros fatores a considerar na contratação, além da própria formação do consultor ou da equipe de consultores. Dependendo da complexidade do seu objetivo, ter ao seu lado alguém que já enfrentou e foi bem-sucedido em situação parecida oferece segurança e aumenta a confiança.

Outro detalhe que pode parecer pequeno, mas não deve passar despercebido é a vivência da consultoria na sua área de atuação. Não que seja obrigatório que ela tenha atuado anteriormente em outro negócio do mesmo setor, mas se você for um prestador de serviços e o consultor ser especializado em indústrias, tende a não funcionar tão bem, concorda?

E o preço, fica de fora? É claro que não, mas mais importante é pensar no custo-benefício. O quanto o apoio de um consultor agrega valor para a sua empresa? Quando maior for o seu objetivo, mais relevante tende a ser esse suporte. E pagar menos não garante a certeza do melhor negócio.

O contador pode ser seu consultor?

Há escritórios contábeis que oferecem a consultoria empresarial entre seus serviços. Mas para que o contador atue como um consultor do empreendedor, ele não necessariamente precisa ser contratado como um.

É preciso, claro, estabelecer limites e respeitar cada atividade. Quando se fala no contador consultor, não se quer sugerir utilizá-lo para substituir uma empresa ou profissional especializado em consultoria de empresas. Como lembramos antes, há situações nas quais a contratação se justifica, como ao ter um objetivo precisamente definido.

Por outro lado, o contador tem a vantagem de não ser um completo estranho à empresa (e a desvantagem de nem sempre ser possível garantir a sua neutralidade por isso).

Quando visto pelo empreendedor como um verdadeiro parceiro, é capaz de oferecer importantes subsídios para a tomada de decisão na empresa. Ainda assim, será mais próximo de um trabalho de assessoria do que de consultoria.

Seja qual for o nome dado a essa relação, é notório que há um subaproveitamento do contador consultor. A pesquisa Relação das MPE com os contadores, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que já foi alvo de artigo aqui no blog, trouxe dados que corroboram com esse entendimento.

O estudo revelou, entre outros dados, que contadores são utilizados por pequenas empresas mais para serviços básicos e burocráticos (como emissão de guias e pagamentos de impostos) e menos para ações capazes de melhorar a empresa (como gestão financeira e planejamento tributário).

Ao mesmo tempo, a pesquisa identificou uma disparidade entre a demanda e a oferta. Isso pode indicar que o empreendedor não percebe o valor das informações contábeis que recebe, ou que o contador está deixando de oferecer a ele serviços com valor agregado.

Aliás, 61% dos empresários entrevistados revelaram disposição para pagar algo a mais ao contador que prestasse serviço de consultoria (54%, inclusive, pagariam até 20% a mais).

Se o profissional tem o que o empreendedor deseja, mas essa troca não acontece, será que não está faltando comunicação?

A consultoria por meio do Sebrae

Está na própria página na internet onde a entidade se descreve: “Além da sede nacional, em Brasília, a instituição conta com pontos de atendimento nas 27 Unidades da Federação, onde são oferecidos cursos, seminários, consultorias e assistência técnica para pequenos negócios de todos os setores”, diz o texto.

Não há dúvidas de que o Sebrae se coloca como uma entidade de fomento ao empreendedorismo de pequeno porte no país - e a consultoria ao empresário é apenas uma das estratégias para colocar isso em prática.

Um dos aspectos mais interessantes é que é possível encontrar soluções perfeitas para as demandas da sua empresa sem que isso implique em custos. Então, se você tem um objetivo claro, como já exemplificado neste artigo, antes de contratar uma consultoria, é válido recorrer ao Sebrae.

Tenha certeza de que o serviço irá lhe ajudar naquilo que está ao seu alcance. E se haver o entendimento de que o melhor para o seu caso é contratar uma empresa ou consultor, o Sebrae pode indicar o caminho. A entidade é, ao lado do contador, uma das principais parceiras dos pequenos negócios no Brasil.

Como ser seu próprio consultor de gestão

O título deste tópico é também o de uma obra muito interessante: Como ser seu próprio consultor de gestão (Ed. Clio), de autoria de Calvert Markham. O livro é uma espécie de guia, no qual estabelece como utilizar técnicas de consultoria sem o auxílio de terceiros.

A proposta é bem clara: você, empreendedor, precisa assumir seu papel como dono e responsável pelo negócio, sendo por consequência o maior interessado no seu sucesso.

Ser seu próprio consultor não necessariamente significa agir sozinho, ignorar o contador, recusar o apoio do Sebrae e desconsiderar a ideia de contratar uma consultoria.

O mais importante está no aprendizado: ao estudar o assunto e a própria empresa, adquire conhecimento e capacidade, tornando-se mais apto a receber e compreender as orientações dos especialistas e também para colocá-las em prática.

A vantagem é que ninguém entende mais do seu negócio do que você mesmo. E isso o qualifica para exercer o papel de médico da empresa, que é como Markham compara o trabalho do consultor.

“Da mesma forma que o médico, qualquer que seja sua especialização, precisa ter conhecimentos sobre anatomia, fisiologia e os principais sistemas humanos (...), então também o consultor tem de entender sobre a complexidade de uma empresa”, afirma ele em seu livro.

Você pode não saber exatamente qual o remédio, mas saberá a dosagem correta.

Razões para ter uma consultoria na sua empresa

Veja agora algumas das principais vantagens da contratação de uma consultoria empresarial para lhe dar o suporte necessário na tomada de decisão em seu negócio.

Visão neutra

Não há apego emocional pela empresa, tampouco algum vício à tarefa, como gostar mais ou menos de determinada pessoa. Há a contratação de um profissional de qualificação reconhecida, capaz de dar uma opinião de fora, baseada no seu diagnóstico e em seus conhecimentos.

Tempo

Se é verdade que tempo é dinheiro, em uma empresa de pequeno porte ele vale ouro. Dedicar-se pessoalmente à tarefa de consultor ou designar um funcionário para realizar tal diagnóstico raramente está ao alcance. Já o consultor está ali para isso, tem disponibilidade e dedicação exclusiva.

Foco no objetivo

Não há outra motivação para a realização da tarefa que não a concretização do objetivo estabelecido pela empresa da melhor forma possível. Não há distrações, não existe o “deixa para depois”. Assim como o consultor tem disponibilidade, ele também tem foco, pois não foi contratado por outra razão que não essa.

Conhecimento adquirido

Você concorda que a rotina de um empreendedor é de constante aprendizado? Pois ao desfrutar do convívio de um consultor por determinado período, o enriquecimento é evidente. É uma experiência única, que agrega não apenas para o momento.

Sensação de amparo

Poucas coisas atrasam mais a tomada de decisão na empresa do que a insegurança do empreendedor. Ele pode ter várias informações em mãos, mas não se ver convencido a dar um passo à frente quando uma questão muito importante está em jogo. Com o apoio do consultor, há uma sensação agradável de não estar sozinho.

Você está pronto para a consultoria?

Neste artigo, apresentamos o que faz um consultor, razões para contratar uma consultoria e como tirar proveito também do suporte do contador e do Sebrae. Desejamos que esse material seja útil para que você possa se definir ou não por ter esse tipo de apoio em seus projetos.

Lembre-se de que, com ou sem consultoria, a maior responsabilidade estará sempre com você. Assumir esse compromisso é seguir em frente pelo melhor da sua empresa.